Torres Novas

 

Localização

torres-novasO município de Torres Novas agrega dez freguesias localizadas na Região Centro (NUTS II) e sub-região do Médio Tejo (NUTS III). O concelho é habitado por 36.717 torrejanos numa área total de 270,0 km2 caracterizada pela coexistência da formação calcária da Serra de Aire e das várzeas do rio Almonda, que se alargam em lezírias na confluência com o Tejo.

A nível concelhio faz fronteira com Tomar (norte e nordeste), Ourém (norte e noroeste), Entroncamento e Vila Nova da Barquinha (este), Golegã e Santarém (sul) e Alcanena (oeste).

Sede do município (coordenadas GPS, WGS84 Datum)

    • DDD (graus decimais): 39.4801, -8.5394
    • DMM (graus e minutos decimais): 39º28.8008', -8º32.3592'
    • DMS (graus, minutos e segundos): 39º28'48.1229'', -8º32'21.5431''

História

A região revelou-se apelativa desde tempos longínquos, tendo o homem deixado marcas da sua presença desde o Paleolítico em locais situados na orla da rede cársica do rio Almonda, como as grutas de Buraca da Moura e da Oliveira ou a Lapa da Bugalheira.

Mais tarde, nos primórdios do domínio romano, Cardílio e Avita tornaram-se proprietários de uma das diversas “villae” existentes na zona, a Vila Cardílio, que seria classificada como Monumento Nacional em 1967. Esta vila lusitano-romana foi habitada nos séculos I a IV d.C. e entre as suas ruínas recuperaram-se painéis de mosaicos coloridos, moedas, esculturas, a par da inscrição latina que numa interpretação deseja felicidades ao casal na sua “villa da torre”, expressão associada a uma origem plausível do topónimo Torres Novas.

A partir do século XII, o território então conhecido por Turris começou a ganhar os seus contornos atuais, com a expulsão dos invasores árabes pelas tropas de D. Afonso Henriques (1148) e a fundação do concelho no foral atribuído a 1 de outubro de 1190 por D. Sancho I. O castelo, que entretanto ficara em ruínas, foi reconstruído por ordem deste soberano e, mais tarde, por D. Fernando I na sequência das guerras travadas com os reis de Castela. A fortificação resistiu ao tempo e apenas seria alvo de novo programa de reconstrução seis séculos depois, altura em que já detinha a classificação de Monumento Nacional, atribuída em 1910.

No decurso da Idade Média, a área circundante conheceu um forte crescimento demográfico e económico, recebendo a Carta de Feira no ano de 1263 e passando a pertencer aos domínios da rainha Santa Isabel de Aragão em 1304, por doação do marido, o rei D. Dinis. Nos séculos seguintes, afirmar-se-ia como local de reunião das cortes e de momentos históricos, como o juramento do casamento entre os infantes D. Beatriz e D. Henrique, filhos de D. Fernando I e D. João I de Castela (1380), o estabelecimento da regência de D. Leonor de Aragão, devido ao falecimento do esposo D. Duarte I e a menoridade do filho D. Afonso V (1438) e a decisão de se realizarem as Cortes com intervalos de uma década de modo a gerar proximidade entre os reis e os seus súbditos (1525).

A vila teve D. Isabel de Avis como donatária na primeira metade do século XV e recebeu novo foral no reinado de D. Manuel I (1510). Na década seguinte, D. João de Lencastre passaria a deter o título de primeiro Marquês de Torres Novas, juntamente com o de duque de Aveiro, ambos extintos em 1759 por sentença devido à suposta implicação de D. José Mascarenhas da Silva e Lencastre na tentativa de regicídio de D. José I. O monarca sobreviveu e seria a sua filha, rainha D. Maria I, a conceder licença a Henrique Meuron e David Suabe para instalarem a Fábrica das Chitas (1783), destruída pelas tropas do general Massena na terceira invasão francesa (1810).

O tecido económico desenvolveu-se ao longo do século XIX e entre os casos de maior sucesso encontram-se a fundação da Fábrica de Papel do Almonda (1818), a constituição da Companhia de Fiação de Torres Novas (1845), bem como a criação da transportadora João Clara & Companhia (Irmãos) Lda. que, à data da sua nacionalização (1975) se denominava Clara Transportes - S.A.R.L. e acumulava a maior cota de mercado no país com a segunda maior na Península Ibérica.

A inauguração da linha ferroviária de Torres Novas a Alcanena em 1893, por seu lado, protagonizou um dos episódios mais curiosos e atribulados na história empresarial da região. O “Comboio Menino”, assim apelidado devido à dimensão reduzida da composição, era concessionado pela Companhia de Caminhos de Ferro de Torres Novas a Alcanena - S.A.R.L. (pertença do Barão de Matosinhos) e circulava, na maioria do percurso, por uma via de bitola estreita assente sobre estradas. Os múltiplos descarrilamentos granjearam-lhe uma segunda denominação, a de “Rata Cega”, e contribuiriam para o encerramento da linha três anos após a sua criação. O século XX chegou entretanto e a memória dos trilhos da via-férrea foi-se diluindo na crescente afirmação regional do concelho que determinou a elevação de Torres Novas a cidade no ano de 1985.

Freguesias

A cidade de Torres Novas acolhe a sede deste concelho que integra as freguesias de Assentis, Chancelaria, Meia Via, Pedrógão, Riachos (vila), União das Freguesias de Brogueira, Parceiros de Igreja e Alcorochel, União das Freguesias de Olaia e Paço, União das Freguesias de Torres Novas (Santa Maria, Salvador e Santiago), União das Freguesias de Torres Novas (São Pedro), Lapas e Ribeira Branca e, por fim, Zibreira. As idades da generalidade da população nas dez freguesias situam-se na faixa etária dos 25 aos 64 anos.

A União das Freguesias de Torres Novas (São Pedro), Lapas e Ribeira Branca concentra o número mais significativo de habitantes, superando os 8.400, e contrasta com os pouco mais de 1.000 registados na freguesia de Zibreira. A maior circunscrição do município supera os 40 km2 e pertence à União das Freguesias de Torres Novas (Santa Maria, Salvador e Santiago), por oposição aos cerca de 4 km2 da freguesia de Meia Via. A pequena dimensão desta última contribui para que detenha uma densidade populacional elevada, acima dos 395 habitantes por km2 e oito vezes superior ao valor mais baixo do concelho, pertencente à freguesia de Chancelaria.

Áreas de Especialização

As áreas de especialização produtiva com maior relevo municipal pertencem às indústrias transformadoras da madeira (destaque para o papel, além do fabrico de mobiliário, serração e carpintaria), agroalimentar (relevância do azeite), metalúrgica e metalomecânica (materiais de transporte), têxteis, materiais de construção, a par dos serviços nas áreas dos transportes de pessoas e mercadorias.

As sociedades e empresas do concelho destacam-se no setor do comércio por grosso e a retalho, sendo seguidas pelas prestadoras de serviços de consultoria, técnicos e similares e pelas ligadas às atividades de construção. A população empregada apresenta valores com uma tendência similar, na qual se salientam os setores terciário e secundário, acima dos 70% e dos 25%, respetivamente. O setor primário não ultrapassa 1,7% dos cerca de 15.000 trabalhadores no concelho e as explorações agrícolas representam aproximadamente 15% do total registado no Médio Tejo.

Pontos de Interesse Turístico

Torres Novas é um concelho que convida a...

CULTURA

    • visitar a exposição do Museu Municipal Carlos Reis, que engloba um núcleo de telas naturalistas deste pintor torrejano, artefactos arqueológicos e arte sacra, com ênfase na pintura quinhentista
    • consultar obras literárias de eleição na Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes
    • aplaudir ilustres artistas na sala principal do Teatro Virgínia, dançar numa dj session do Café Concerto ou assistir a uma peça teatral no Teatro Maria Noémia

    • confirmar a magnitude do edifício secular onde existiu o convento quinhentista de S. Gregório Magno, que inclui a Igreja de Nossa Senhora do Carmo e serviu como hospital nos séculos XIX e XX
    • apreciar as esculturas nas igrejas da Misericórdia e Nossa Senhora da Graça, a entrada românica na Capela do Vale, as abóbodas nas igrejas do Salvador e S. Pedro, o revestimento azulejar na Igreja de Nossa Senhora da Conceição e Capela de Santa Ana/Vargos e a talha dourada na Igreja de Sant’Iago
    • parar junto da cerca do antigo Convento de Santo António e sentir a serenidade que envolve a atual “Casa dos Arrábidos”

HISTÓRIA

    • subir ao castelo de onze torres com origens árabes e contemplar a vista panorâmica sobre o rio Almonda e a Serra de Aire
    • surpreender-se com os pavimentos de “tessellae” (mosaicos romanos) nas ruínas da Vila Cardílio
    • comprovar a imponência e antiguidade da Casa Mogo de Melo, edificada por esta família de renome, antigo colégio das Irmãs Teresianas e atual Museu Municipal
    • aprofundar o conhecimento sobre a luta pela liberdade em Portugal na Casa Memorial Humberto Delgado durante um passeio ao Boquilobo, aldeia natal do “General sem Medo”
    • recordar as raízes rurais da população no Museu Agrícola dos Riachos

LAZER

    • admirar as pegadas milenares deixadas pelos saurópodes no Monumento Natural das Pegadas dos Dinossáurios de Ourém e Torres Novas
    • descobrir Pedrógão, uma aldeia em harmonia com a natureza no sopé da Serra de Aire
    • conhecer a tradição da moagem artesanal e o conforto dos Moinhos da Pena
    • sentir o vigor do Açude Real, outrora força motriz de moinhos, lagares e fábricas
    • entrar num conto de fadas tendo por cenário as Quintas do Marquês e da Rainha
    • descontrair no jardim das Rosas, na avenida marginal ao rio Almonda ou numa esplanada da Praça 5 de Outubro

NATUREZA

    • explorar a gruta da nascente do rio Almonda, um deleite para os amantes da espeleologia
    • seguir os trilhos de BTT e as rotas pedestres no Parque Natural das Serras de Aires e Candeeiros
    • observar aves na Reserva do Paul do Boquilobo, que integra a rede mundial de reservas da biosfera (UNESCO) e a lista de zonas húmidas de importância internacional
    • percorrer as galerias labirínticas escavadas na rocha que formam as Grutas de Lapas

Em suma, explorar Torres Novas é sonhar acordado em castelos e palácios, subir ao topo da serra e pernoitar num moinho de vento, estimular a mente com diversas formas de arte, seguir rastos jurássicos de dinossauros e aventurar-se em grutas e labirintos do subsolo por uma doce recompensa, os intemporais Figos de Torres Novas. O património classificado no concelho tem maior incidência nos primórdios da ocupação humana (pré-histórica e romana) e na devoção religiosa (templos de oração e recolhimento.


Quer conhecer melhor este concelho e a região do Médio Tejo?

Poderá fazê-lo durante a sua visita à Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes, no espaço virtual PACAD - Programa de Animação Científica Artística Digital (parceria CIMT/Câmara Municipal de Torres Novas).

Principais Festividades

Ao longo do ano, o concelho celebra e partilha a sua identidade:

CRIATIVA

valorizando as artes performativas no Festival Materiais Diversos (setembro)

GASTRONÓMICA

na Feira Nacional dos Frutos Secos (outubro) e no Festival do Arroz Doce e Doçaria Tradicional (novembro/dezembro)

HISTÓRICA

com uma viagem no tempo durante a Feira Medieval (maio)

RELIGIOSA

organizando as festas em honra de Santo António (junho), a célebre Festa da Bênção do Gado de Riachos (quadrienal, julho), a Festa do Espírito Santo (domingo de Pentecostes) e diversas festividades sagradas nas diversas freguesias

TRADICIONAL

ao relembrar os costumes populares do São Martinho no Festival da Água-pé (outubro/novembro)


FONTES

CIMT - Portal do Empreendedor, Fundação Francisco Manuel dos Santos (PORDATA – Base de Dados Portugal Contemporâneo), IGESPAR - Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, IGP - Instituto Geográfico Português (CAOP), INE – Instituto Nacional de Estatística (Censos 2011 e Recenseamento Geral da Agricultura 2009), Reorganização Administrativa de Freguesias (Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro), sites institucionais dos municípios associados e respetivas juntas de freguesia - informação recolhida em setembro de 2013.

Notícias

Prev Next

Mensagem de Natal da Presidente da CIMT

Mensagem de Natal da Presidente da CIM do Médio Tejo, Maria do Céu Albuquerque

22-12-2016

3.ª Reunião do CEDI

  Teve ontem lugar na sede da CIM do Médio Tejo a 3.ª reunião do CEDI – Conselho Estratégico para o Desenvolvimento Intermunicipal. A reunião contou com a presença da grande maioria...

16-12-2016

Deliberações - 2.ª reunião da Assembleia da CIM do Médio Tejo/2016

Deliberações da 2.ª reunião ordinária da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio Tejo. Teve lugar ontem, dia 28 de novembro, na sede da CIM do Médio Tejo, a 2.ª Reunião Ordinária...

29-11-2016

Central de Compras da CIM do Médio Tejo

A Central de Compras foi criada pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo em 2011 e integra uma das suas 13 áreas de intervenção, as “Compras Públicas”. O projeto resultou na...

24-11-2016

2.ª reunião da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio Tejo de 2016

Tem lugar no próximo dia 28 de novembro, pelas 21h00, no auditório da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, em Tomar, a 2.ª Reunião da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio...

23-11-2016

Autarcas do Médio Tejo recebidos no CHMT

Reforço do Quadro Médico, Expansão da atividade e Renovação de equipamento foram os três eixos apresentados por Carlos Andrade, presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo...

16-11-2016

Promoção do Sucesso Escolar no Médio Tejo

É já no dia 21 de novembro/2016 que arranca o projeto “Promoção do Sucesso Escolar do Médio Tejo – Correção da Acuidade Visual e Auditiva no Pré- Escolar”. Este projeto...

16-11-2016

Fórum Regional do Capital Humano

  No passado dia 4 de novembro teve lugar no Centro Cultural Gil Vicente, no Sardoal o Fórum Regional do Capital Humano. Este fórum veio trazer a oportunidade de debate sobre as...

07-11-2016

CIM do Médio Tejo presente no “Galardão Empresa do Ano”

Este ano teve lugar em Tomar, no Hotel dos Templários a entrega dos prémios “Galardão Empresa do Ano”. Uma iniciativa instituída pela NERSANT, em parceria com o jornal O Mirante. A...

26-10-2016

Eventos

Est-2020

sig

em rede

central-compras

transporte-a-pedido