Tomar

 

Localização

tomar-2Tomar abrange uma área territorial de 351,2 km2 na região Centro (NUTS II) e sub-região do Médio Tejo (NUTS III), em plena zona de convergência das regiões naturais do Alto Nabão, Bairro e Albufeira do Castelo de Bode. O concelho é atravessado pelo rio Nabão e nas suas onze freguesias habitam 40.674 tomarenses.

A nível concelhio é delimitado por Ferreira do Zêzere (norte), Ourém (norte e noroeste), Abrantes (este), Vila Nova da Barquinha (sul) e Torres Novas (sudoeste e oeste).

Sede do município (coordenadas GPS, WGS84 Datum)

    • DDD (graus decimais): 39.6035, -8.4155
    • DMM (graus e minutos decimais): 39º36.2133', -8º24.9305'
    • DMS (graus, minutos e segundos): 39º36'12.6722'', -8º24'55.9371''

História

São inúmeras as evidências arqueológicas no território relativas à presença humana numa fase preliminar do processo de sedentarização, nomeadamente a Gruta do Caldeirão (Pedreira), que serviu como necrópole e acampamento temporário a partir do Paleolítico Médio, e as antas neolíticas do Casalinho/Vale da Laje (Serra).

A Antiguidade trouxe a fundação de Nabância no século I a.C., povoação atravessada pelo rio Nabanis, situada nas redondezas da urbe proeminente que o imperador Augusto fundaria no século seguinte e apelidaria de Sellium. Esta última integrava a rede viária romana que unia Olisipo (Lisboa) a Bracara Augusta (Braga) e a Emerita (Mérida), bem como a rota comercial vinícola que incluía províncias mediterrânicas. O dia a dia passava-se entre as “insulae” (prédios de habitação) e o fórum romano com a sua praça pública, a basílica (tribunal) e as “tabernae” (lojas), cujas ruínas subsistem na atualidade.

A cidade foi abandonada na segunda metade do século V e repovoada a partir do século XII, altura em que D. Afonso Henriques conquistou a região aos mouros (1147) e a doou por carta régia à Ordem do Templo (1159), integrada no termo de Ceras. Em 1160, o mestre templário D. Gualdim Pais iniciava a construção do Castelo de Tomar e da charola do Convento de Cristo, no ano de 1162 atribuía o primeiro foral à localidade e mais tarde edificava a igreja primitiva de Santa Maria do Olival, que daria lugar ao atual templo religioso de estilo gótico onde se encontra sepultado.

Aos templários se deve, igualmente, a instalação dos primeiros moinhos e lagares, entre os quais se encontravam os lagares de azeite da Ribeira da Vila, servidos pelo Açude dos Frades e referidos pelo rei D. Dinis na Real Sentença de julho de 1295.

A Ordem do Templo estabeleceu-se definitivamente na vila em meados do século XIV (1356) e o complexo militar e religioso ganhou relevo junto da coroa. O local seria escolhido pelo Infante D. Henrique, filho de D. João I, para a edificação do seu Paço (1420) e alvo de obras de transformação e ampliação nos reinados de D. João III e D. Manuel I, culminando na edificação do Aqueduto dos Pegões em pleno domínio filipino (século XVII). No mesmo período registou-se o desenvolvimento e posterior declínio da comunidade judaica, protegida pelo Infante D. Henrique na fase de construção da Sinagoga, e expulsa pelo édito de D. Manuel I.

Ainda sob a governação manuelina verificou-se um crescimento acentuado na vila ribeirinha, com a deslocação por ordem régia da população intramuros do castelo para as margens do Nabão, a ampliação dos lagares de azeite da Ribeira da Vila, que a partir de então passaram a denominar-se Lagares d’El Rei, e a atribuição de um novo foral no ano de 1510.

A prosperidade da região seria acentuada pelo estímulo industrial promovido pelo Marquês de Pombal no século XVIII, época em que os franceses Jácome Ratton e Timotheo Lecussan Verdier fundaram a “Real Fábrica de Fiação de Tomar” (1789), o primeiro espaço fabril nacional a utilizar iluminação elétrica nas suas instalações com recurso a uma central que explorava um açude no rio Nabão.

A extinção das ordens religiosas e militares no ano de 1834 poderia ter vaticinado o declínio dos domínios outrora templários, porém Tomar não só sobreviveu como evoluiu nos séculos XIX e XX, conquistando a quinta torre do seu brasão por despacho régio de D. Maria II (1844) e tornando-se numa das primeiras cidades em território português a usufruir de energia elétrica, cuja concessão de distribuição foi adquirida em 1910 pelo influente empresário Manuel Mendes Godinho. A memória templária foi perpetuada no mesmo ano com a classificação de algum património como Monumento Nacional, entre o qual se destaca o conjunto arquitetónico Castelo-Convento de Cristo, que em 1983 passaria a integrar a lista do Património Mundial da UNESCO – United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization.

Freguesias

O município tem a sua sede na cidade de Tomar e integra as freguesias de Asseiceira, Carregueiros, Olalhas, Paialvo, Sabacheira, São Pedro de Tomar, União das Freguesias de Além da Ribeira e Pedreira, União das Freguesias de Casais e Alviobeira, União das Freguesias de Madalena e Beselga, União das Freguesias de Serra e Junceira e, por fim, União das Freguesias de Tomar (São João Baptista) e Santa Maria dos Olivais. A população das dez freguesias é maioritariamente adulta e apresenta idades compreendidas entre os 25 e os 64 anos.

Os mais de 45 km2 abrangidos pela União das Freguesias de Serra e Junceira contribuem para que esta seja a maior freguesia do concelho, por oposição a Carregueiros, cuja área não atinge os 13 km2. No que respeita à população residente, a União das Freguesias de Tomar (São João Baptista) e Santa Maria dos Olivais detém os valores mais elevados, acolhendo 45% dos cidadãos e ultrapassando os 600 habitantes por km2. Por seu lado, a Sabacheira revela-se a freguesia menos populosa, com um total inferior a 1000 habitantes, e com menor densidade demográfica, não atingindo os 30 habitantes por km2.

Áreas de Especialização

O tecido empresarial de Tomar encontra-se especializado nas indústrias da madeira e derivados (fabrico de mobiliário e papel, serração e carpintaria), agroalimentar (frutas, azeite e vinho) e materiais de construção, a par dos serviços no comércio, hotelaria e restauração.

O concelho integra cerca de 15% da população empregada no Médio Tejo e é sede de igual percentagem de sociedades e empresas, mais de 4.800, na sua maioria direcionadas para as atividades ligadas ao comércio por grosso e a retalho, à construção e ao alojamento, restauração e similares. No que respeita ao mercado de trabalho, que engloba cerca de 14.600 trabalhadores, quase 75% estão empregados no setor terciário e mais de 20% no setor secundário. O setor primário tem pouca relevância, ainda que o número de explorações agrícolas registadas se aproxime dos dois milhares.

Pontos de Interesse Turístico

Tomar é um concelho que convida a...

CULTURA

    • participar numa conferência na Biblioteca Municipal António Cartaxo da Fonseca
    • cultivar o gosto pelas artes do espetáculo e cinema no Cineteatro Paraíso, pela música no Auditório Fernando Lopes Graça, pela pintura no Museu João de Castilho (núcleos de arte antiga, naturalista e contemporânea) e pela fotografia no Arquivo Fotográfico Silva Magalhães
    • confirmar a variedade temática das exposições patentes ao público na Casa dos Cubos
    • conhecer o compositor tomarense Fernando Lopes Graça na Casa Memória dedicada a este importante vulto do panorama musical português

    • apreciar a obra de João de Castilho na Ermida de Nossa Senhora da Conceição, o portal manuelino na Capela de S. Gregório, a influência templária na Igreja de Santa Maria do Olival, as pinturas de Gregório Lopes nas Igrejas da Misericórdia e de S. João Baptista e a evocação da partida das tropas para Aljubarrota na Capela de S. Lourenço
    • recordar a crença judaica professada na antiga Sinagoga, templo sefardita com caraterísticas únicas no país, que alberga o Museu Hebraico Abraão Zacuto
    • entender a devoção e o recolhimento dos frades franciscanos e das irmãs clarissas nos conventos ancestrais de São Francisco, Capuchos/Quinta da Anunciada Velha e Santa Iria
    • peregrinar no Caminho Português de Santiago (Central)

HISTÓRIA

    • investigar os primeiros aglomerados humanos na Gruta do Caldeirão e no Fórum Romano
    • deixar-se imbuir pelo espírito templário no Castelo e Convento de Cristo, conjunto monumental classificado pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade
    • detetar o cunho manuelino nos Moinhos e Lagares d’El Rei e nos Paços do Concelho
    • contar os arcos em ogiva dos Estaus/Paços da Ribeira, albergues edificados na época medieval
    • admirar a engenharia do domínio filipino no Aqueduto dos Pegões
    • distinguir a arquitetura das casas quinhentistas, solares maneiristas, palácios barrocos, chalé romântico, edifícios revivalistas e fachadas ornamentadas da Art Nouveau e da Art Déco

INOVAÇÃO

    • inspirar-se na grandiosidade e envolvente da Barragem do Castelo de Bode

LAZER

    • percorrer o centro histórico medieval nas margens do rio Nabão e atravessar a Ponte Velha
    • visitar a roda hidráulica árabe no jardim do Mouchão ou o coreto do jardim da Várzea Pequena
    • fruir do ambiente bucólico da Mata Nacional dos Sete Montes/Cerca do Convento
    • marcar encontro no centro da Praça da República, perto da estátua de D. Gualdim Pais
    • surpreender-se nos museus dos Fósforos/Aquiles da Mota Lima e da Latoaria/Américo Migalhas (o último sujeito a marcação

NATUREZA

    • desfrutar de um passeio de barco na albufeira e contemplar a paisagem na Ilha do Lombo
    • explorar as praias fluviais de Alverangel, Montes e Vila Nova - Serra

Em suma, descobrir Tomar é comparar estilos arquitetónicos separados por séculos em edifícios contíguos, constatar a multiplicidade de expressões religiosas e culturais, decifrar o simbolismo templário, abrandar o ritmo no cenário idílico da albufeira e estimular os sentidos com diversas formas de arte ou um adocicado Beija-me Depressa. Os monumentos classificados no concelho são significativos e destacam-se por integrarem as listas do património nacional e mundial.

Principais Festividades

Ao longo do ano, o concelho celebra e partilha a sua identidade:

CRIATIVA

com o Tomarimbando – Festival Internacional de Percussão (julho), o Festival Bons Sons (bienal, agosto), o Festival de Estátuas Vivas (setembro) e ciclo musical “Cantar Natal”

GASTRONÓMICA

ao destacar sabores inconfundíveis nas mostras da Lampreia (fevereiro/março), “De Tomar e dos Conventos – Doçaria Tomarense” (abril) e de “Todos com o Feijão… o Feijão com Todos” (outubro), sem esquecer o afamado Congresso da Sopa (maio)

HISTÓRICA

perpetuando a essência da Ordem do Templo na Festa Templária (maio), bem como o culto do Espírito Santo e a comemoração das colheitas na Festa dos Tabuleiros, caracterizada pelas ruas engalanadas de flores, as vestes tradicionais e o simbolismo do Grande Cortejo (quadrienal, julho)

RELIGIOSA

solenizada com o ritual único de partir cruzes na Festa da Aleluia/Matança dos Judeus (Páscoa), a peregrinação do Círio de Nossa Senhora da Piedade (setembro), a procissão da Festa do Senhor do Jesus das Necessidades (setembro), bem como as cerimónias e a animação popular da Feira de Santa Iria/das Passas (outubro)

TRADICIONAL

pela organização do Encontro de Reiseiros (janeiro), do Encontro Nacional de Colecionadores (fevereiro) e do Mercado da República, que recorda o início do século passado nas bancas e nos trajes (outubro)


FONTES

CIMT - Portal do Empreendedor, Fundação Francisco Manuel dos Santos (PORDATA – Base de Dados Portugal Contemporâneo), IGESPAR - Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, IGP - Instituto Geográfico Português (CAOP), INE – Instituto Nacional de Estatística (Censos 2011 e Recenseamento Geral da Agricultura 2009), Reorganização Administrativa de Freguesias (Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro), sites institucionais dos municípios associados e respetivas juntas de freguesia - informação recolhida em setembro de 2013.

Notícias

Prev Next

CIM do Médio Tejo promoveu estância de Wakeboard em Düsseldorf

A CIM do Médio Tejo e a Wakeboard Portugal promoveram entre 21 a 29 de janeiro a estância de Wakeboard instalada na região do Médio Tejo nas cinco praias fluviais...

01-02-2017

Posição pública a favor da reabertura da Base Aérea Nº3

Os autarcas da CIM do Médio Tejo tomaram uma posição, por unanimidade, a favor da Reabertura da Base Aérea de Tancos na última reunião do Conselho Intermunicipal, 20 de janeiro.

24-01-2017

Mensagem de Natal da Presidente da CIMT

Mensagem de Natal da Presidente da CIM do Médio Tejo, Maria do Céu Albuquerque

22-12-2016

3.ª Reunião do CEDI

  Teve ontem lugar na sede da CIM do Médio Tejo a 3.ª reunião do CEDI – Conselho Estratégico para o Desenvolvimento Intermunicipal. A reunião contou com a presença da grande maioria...

16-12-2016

Deliberações - 2.ª reunião da Assembleia da CIM do Médio Tejo/2016

Deliberações da 2.ª reunião ordinária da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio Tejo. Teve lugar ontem, dia 28 de novembro, na sede da CIM do Médio Tejo, a 2.ª Reunião Ordinária...

29-11-2016

Central de Compras da CIM do Médio Tejo

A Central de Compras foi criada pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo em 2011 e integra uma das suas 13 áreas de intervenção, as “Compras Públicas”. O projeto resultou na...

24-11-2016

2.ª reunião da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio Tejo de 2016

Tem lugar no próximo dia 28 de novembro, pelas 21h00, no auditório da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, em Tomar, a 2.ª Reunião da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio...

23-11-2016

Autarcas do Médio Tejo recebidos no CHMT

Reforço do Quadro Médico, Expansão da atividade e Renovação de equipamento foram os três eixos apresentados por Carlos Andrade, presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo...

16-11-2016

Promoção do Sucesso Escolar no Médio Tejo

É já no dia 21 de novembro/2016 que arranca o projeto “Promoção do Sucesso Escolar do Médio Tejo – Correção da Acuidade Visual e Auditiva no Pré- Escolar”. Este projeto...

16-11-2016

Eventos

Est-2020

sig

em rede

central-compras

transporte-a-pedido