Sertã

 

Localização

sertaO concelho da Sertã ocupa uma zona montanhosa com 446,7 km2 na sub-região do Médio Tejo (NUTS III), integrada na região Centro (NUTS II). A delimitação do território a oeste pelo rio Zêzere contribui para a extensa mancha de água deste município, que totaliza 15.880 sertaginenses em dez freguesias.

A nível concelhio é confinado por Pampilhosa da Serra (norte), Oleiros (nordeste e este), Proença-a-Nova (sudeste), Vila de Rei e Mação (sul), Ferreira do Zêzere (sudoeste), Figueiró dos Vinhos (oeste) e Pedrógão Grande (noroeste).

Sede do município (coordenadas GPS, WGS84 Datum)

    • DDD (graus decimais): 39.8094, -8.0975
    • DMM (graus e minutos decimais): 39º48.5644', -8º5.8478'
    • DMS (graus, minutos e segundos): 39º48'33.7698'', -8º05'50.7125''

História

Os primeiros indícios de atividade humana no território datam da Pré-História (Calcolítico, Idade do Bronze e Idade do Ferro) com a construção dos castros de Nossa Senhora da Confiança (Pedrógão Pequeno) e de Santa Maria Madalena (Cernache do Bonjardim), a par de expressões artísticas rupestres como as insculturas da Fechadura (Figueiredo), da Lajeira (Ermida) e da Fonte das Rimas (Ermida).

O castelo terá sido fundado na Antiguidade pelo general romano Quinto Sertório, enquanto administrou o território (74 a.C.), sendo atribuída ao seu nome uma das possíveis origens do topónimo “Sertã”. A ocupação romana tem sido, igualmente, evidenciada por achados em todo o concelho, como os das estações arqueológicas da Mata Velha (Sertã) e da serra da Longra (Marmeleiro) ou as inscrições de Roqueiro (Pedrógão Pequeno) e da Castanheira (Ermida).

Uma parte significativa dos vestígios do domínio árabe concentra-se na área do castelo, reconstruído no seguimento da repovoação da região em plena época da Reconquista Cristã pelo cruzado D. Henrique de Borgonha, primeiro conde do Condado Portucalense. Anos mais tarde, o seu filho D. Afonso Henriques, criava o reino de Portugal (1139) e concedia a região à Ordem dos Templários (1165) que, por sua vez, a transferiu para a Ordem do Hospital (1174), dando início a cinco séculos de influência dos hospitalários.

No século XIV, a partir de 1340, os superiores desta Ordem passaram a designar-se Priores do Crato e um deles, D. Álvaro Gonçalves Pereira, estabelecer-se-ia na zona de Cernache do Bonjardim, onde em 1360 nasceu o filho Nuno Álvares Pereira. O Santo Condestável teria como conterrâneo e amigo Gonçalo Rodrigues Caldeira, o Roas, cavaleiro indispensável na batalha de Aljubarrota.

Durante o período em que D. Vasco de Ataíde deteve o grão-priorado e D. Afonso V governou o reino, o lugar de Pedrógão Pequeno foi atribuído através de carta de prazo, muito semelhante ao foral, a D. Diogo da Silveira, um escrivão do rei que elevaria a povoação a vila. Nessa altura, em 1455, a Sertã conquistou a mesma categoria na carta de foro atribuída por D. Afonso V e em menos de um século ambas as localidades recebiam novos forais, outorgados por D. Manuel I a 20 de outubro de 1513.

A edificação das igrejas matrizes de Pedrógão Pequeno (Imóvel de Interesse Público desde 1993) e de Cernache do Bonjardim teve início em meados do século XVI, surgindo a primeira nos registos da Confraria do Santíssimo Sacramento (1551). A Ordem de Malta, designação da Ordem do Hospital a partir de 1530, detinha ainda no território a Confraria de Nossa Senhora do Rosário.

No contexto histórico do domínio filipino destacam-se as primeiras décadas do século XVII, quando a ribeira da Sertã passou a ser transponível pela Ponte da Carvalha, igualmente conhecida por Ponte Velha, da Várzea ou Romana, que obteve classificação como Monumento de Interesse Público em 2013.

A Sertã integrou a lista de alcaidarias-mores do Priorado do Crato até à sua integração na Casa do Infantado no ano de 1665. No século XVIII, em 1790, a rainha D. Maria I confirmou o documento pontifício que Pio VI selara no ano anterior com o objetivo de integrar a administração do Priorado do Crato na Casa do Infantado. Até essa data diversos alcaides-mores pertenceram à família Caldeira (séculos XV e XVI), tendo a transmissão dos domínios passado a realizar-se por via não hereditária.

Com o século XIX chegaram as Invasões Francesas e a destruição que lhes estava inerente, sobretudo na incursão realizada pelas tropas do general Massena (1811), bem como a extinção e integração do concelho de Pedrógão Pequeno no município da Sertã devido à reforma administrativa de 1836.

O início do século XX ficou marcado pelo contributo da região para a Implantação da República através da disseminação dos ideais republicanos por figuras notáveis nascidas no concelho, como Albano Portugal Durão, membro do Partido Republicano Português, ministro e presidente da Câmara Municipal de Lisboa (1925).

Freguesias

A vila da Sertã é a sede deste município composto pelas freguesias de Cabeçudo, Carvalhal, Castelo, Pedrógão Pequeno (vila), Sertã (vila), Troviscal, União das Freguesias de Cernache do Bonjardim (vila), Nesperal e Palhais, União das Freguesias de Cumeada e Marmeleiro, União das Freguesias de Ermida e Figueiredo e, por fim, Várzea dos Cavaleiros. O concelho apresenta valores populacionais elevados na faixa etária dos 25 aos 64 anos, com exceção da União das Freguesias de Cumeada e Marmeleiro, onde a maioria dos habitantes tem idade igual ou superior a 65 anos.

As áreas geográficas das dez freguesias situam-se entre os cerca de 100 km2 da União das Freguesias de Cernache do Bonjardim, Nesperal e Palhais e os quase 10 km2 de Carvalhal. Os valores populacionais colocam em extremos opostos as freguesias de Sertã, que ronda os 6.200 habitantes, e a União das Freguesias de Ermida e Figueiredo, com um número 14,5 vezes menor. Esta última freguesia destaca-se, igualmente, pela baixa densidade demográfica (10hab/km2) e contrasta com a de Cabeçudo, que supera os 95 habitantes por km2.

Áreas de Especialização

O tecido empresarial do concelho evidencia-se em áreas relacionadas com a exploração florestal (cortiça e silvicultura), as indústrias da madeira e derivados (extração e transformação, fabrico de mobiliário e papel), dos materiais de construção (construção civil), agroalimentar (ex. carnes e queijos), do corte e acabamento de pedra (mármores e cantarias), dos têxteis (confeções) e da produção de energia elétrica (eólica, hídrica e biomassa), bem como o comércio e serviços.

O número de sociedades e empresas desta região supera as 1.700, cerca de metade das quais dedicadas ao comércio por grosso e a retalho e à construção. A população empregada no setor terciário quase atinge dois terços do total e o setor secundário ronda os 30%. A expressão do setor primário é mais reduzida, englobando 6,5% dos trabalhadores, ainda que o número de explorações agrícolas registadas a nível municipal seja o quarto mais elevado do Médio Tejo.

Pontos de Interesse Turístico

Sertã é um concelho que convida a...

CULTURA

    • participar numa oficina de ideias na Biblioteca Municipal Padre Manuel Antunes
    • assistir a uma sessão de cinema no Cineteatro Tasso do Clube da Sertã
    • aprofundar temas de interesse em exposições da Casa de Espetáculos e da Cultura
    • admirar as obras artísticas exibidas no Atelier Túlio Victorino, cujo edifício foi lar e espaço de trabalho deste pintor impressionista e discípulo dos mestres Bordalo Pinheiro e José Malhoa

    • apreciar os altares em talha dourada e os painéis de azulejos das igrejas matrizes de Cernache do Bonjardim, Pedrógão Pequeno e Sertã, bem como da Igreja da Misericórdia
    • vaguear nos claustros ancestrais do Convento de Santo António
    • sentir o espírito missionário no Seminário das Missões, inicialmente dedicado à consagração de sacerdotes para o Priorado do Crato
    • encontrar a espiritualidade em mais de quarenta igrejas, capelas e cruzeiros

HISTÓRIA

    • visitar as estações de arte rupestre da Fechadura e da Lajeira
    • investigar as ruínas das muralhas defensivas no Castro de Santa Maria Madalena
    • testemunhar os domínios romano e filipino nas diversas pontes, com destaque para a Ponte dos Três Concelhos, a Ponte da Carvalha e a Ponte Filipina de Pedrógão Pequeno
    • contar as cinco quinas do Castelo, detalhe arquitetónico raro em território nacional
    • descobrir as semelhanças e diferenças dos pelourinhos de Pedrógão Pequeno e Sertã
    • detetar traços de Art Déco nos Paços do Concelho, obra do arquiteto Cassiano Branco

LAZER

    • surpreender-se com a peculiar Aldeia de Xisto de Pedrógão Pequeno
    • fotografar paisagens arrebatadoras no miradouro de Nossa Senhora da Confiança
    • recordar ofícios tradicionais nos inúmeros moinhos, azenhas e lagares de azeite
    • percorrer a Alameda da Carvalha e relaxar nos espaços verdes perto do Lagar de Vara

NATUREZA

    • estender toalhas de praia e de piquenique nas praias fluviais da Ribeira Grande, do Marmeleiro, do Trízio e do Troviscal
    • praticar desportos náuticos e mergulhar nas albufeiras das barragens de Bouçã, do Cabril e do Castelo de Bode
    • caminhar nas inúmeras rotas e trilhos temáticos criados para entusiastas de percursos pedestres
    • conquistar montes e serras (Nossa Senhora da Confiança, Figueiredo, Cabeço da Rainha e outros) e sentar nas margens das ribeiras (Isna, Sertã, Tamolha, Amioso, Porteleiros e outras)

Em suma, visitar a Sertã é explorar incontáveis cursos de água e albufeiras, frequentar clubes culturais com tradição secular, conhecer vivências religiosas de clausura e evangelização, atravessar pontes históricas e degustar Cartuchos de Amêndoa à moda de Cernache numa ruela típica das aldeias rústicas. O património classificado valoriza a arquitetura e recheio das igrejas, a par dos imóveis históricos como os pelourinhos e as pontes.


Quer conhecer melhor este concelho e a região do Médio Tejo?

Poderá fazê-lo durante a sua visita à Casa de Espetáculos e da Cultura, no espaço virtual PACAD - Programa de Animação Científica Artística Digital (parceria CIMT/Câmara Municipal de Sertã).

Principais Festividades

Ao longo do ano, o concelho celebra e partilha a sua identidade:

CRIATIVA

pela promoção das letras nas 24 horas da Maratona de Leitura (julho) e a organização de diversas feiras do livro, nomeadamente as de verão (agosto) e de Natal (novembro/dezembro)

GASTRONÓMICA

através do Festival de Gastronomia do Maranho e do Bucho (julho)

RELIGIOSA

com a Romaria de São Nuno de Santa Maria (abril), as cerimónias ao longo da Quaresma, que incluem o Sábado Gordo e os Passos, bem como as celebrações realizadas em honra de S. Pedro (junho), Nossa Senhora dos Remédios (agosto), Nossa Senhora da Confiança (setembro) e Nossa Senhora da Graça (outubro)

TRADICIONAL

ao realizar a Mostra do Santo Condestável, que inclui folclore e jogos tradicionais, a Feira Franca (ambas em agosto), as feiras anuais de Cernache do Bonjardim e Pedrógão Pequeno (agosto/setembro) e a Feira das Varas (outubro)


FONTES

CIMT - Portal do Empreendedor, Fundação Francisco Manuel dos Santos (PORDATA – Base de Dados Portugal Contemporâneo), IGESPAR - Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, IGP - Instituto Geográfico Português (CAOP), INE – Instituto Nacional de Estatística (Censos 2011 e Recenseamento Geral da Agricultura 2009), Reorganização Administrativa de Freguesias (Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro), sites institucionais dos municípios associados e respetivas juntas de freguesia - informação recolhida em setembro de 2013.

Notícias

PrevNext

MOÇÃO - Equidade de tratamento entre os vários territórios assolados pelos grandes incêndios de 2017

No âmbito dos grandes incêndios que assolaram o país no corrente ano, a CIM do Médio Tejo e os seus municípios integrantes, vêm apresentar a presente moção: 1.Na sequência dos grandes...

23-11-2017

6 Municípios do Médio Tejo distinguidos por práticas ‘Familiarmente Responsáveis’

O Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis distinguiu na terça-feira, dia 14 de novembro, 61 municípios com a Bandeira Verde por terem práticas amigas das famílias, como apoios à maternidade e...

15-11-2017

SERTÃ - Pinhal Maior abre candidaturas para o concurso “Moovideias”

Decorre até dia 28 de novembro o período de candidaturas à III edição do Concurso de Ideias de Negócio “Moovideias”, dinamizada pela Pinhal Maior, a realizar-se na Sertã e com...

14-11-2017

Maria do Céu Albuquerque reeleita Presidente da CIM do Médio Tejo

O Conselho Intermunicipal da CIM do Médio Tejo realizou-se, a 27 de outubro, para proceder à instalação da Presidência e Vice-Presidência da CIM do Médio Tejo, nos termos da alínea...

27-10-2017

Adaptação às Alterações Climáticas, projeto apoiado pela União Europeia

No âmbito de candidatura aprovada ao POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, encontra-se em curso o desenvolvimento de Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas. Alinhados...

26-10-2017

Sistema de videovigilância para incêndios florestais, projeto apoiado pela União Europeia

No âmbito de candidatura aprovada ao POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, promoveu-se a operacionalização dos serviços para “Fornecimento, Instalação e Monitorização de um Sistema...

26-10-2017

Aprovação da candidatura intermunicipal “Formação de Públicos Estratégicos”

Foi rececionado no passado mês de julho a notificação da decisão de aprovação da candidatura intermunicipal “Formação de Públicos Estratégicos” ao Eixo Prioritário 3 – Promover a inclusão social e...

25-10-2017

Qualificação Profissional Administração Pública Local – Ações realizadas na CIM Médio Tejo

Para o presente ano de 2017, ainda não existe abertura de candidaturas para cofinanciamento de ações de formação, no entanto, a CIM Médio Tejo continua a desenvolver a sua atividade...

25-10-2017

Bibliotecas do Médio Tejo em andamento

Realizou-se dia 20 de outubro,  com a presença do Sr. Subdiretor-geral, Dr. Luis Santos, Dr. Bruno Eiras, Drª Rosa Domingues e Mª João Guerreiro da DGLAB – Direção Geral dos...

23-10-2017

Eventos

Est-2020

sig

Vive o Empreendedorismo

central-compras

transporte-a-pedido