Mação

 

Localização

macao-2Mação localiza-se na região Centro (NUTS II) e sub-região do Médio Tejo (NUTS III), sendo habitado por 7.338 maçaenses. Os 400,0 km2 que constituem a área total do município distribuem-se por seis freguesias, caracterizadas pela abundância de serras e uma rede hidrográfica com incontáveis nascentes, ribeiras, piscinas naturais e albufeiras.

A nível concelhio faz fronteira com a Sertã (norte), Proença-a-Nova (nordeste e este), Vila Velha de Ródão e Nisa (sudeste), Gavião (sul), Abrantes (sul e sudoeste), Sardoal (oeste) e Vila de Rei (noroeste).

Sede do município (coordenadas GPS, WGS84 Datum)

    • DDD (graus decimais): 39.5567, -7.9958
    • DMM (graus e minutos decimais): 39º33.3995', -7º59.7486'
    • DMS (graus, minutos e segundos): 39º33'23.9860'', -7º59'44.9502''

História

Ao longo da evolução humana foram inúmeros os vestígios que ficaram da passagem e ocupação dos povos no território de Mação. Entre os mais primitivos destacam-se a representação de um equídeo com vinte mil anos, achado considerável na arte paleolítica de ar livre em Portugal (Complexo de Arte Rupestre do Vale do Tejo), e o Castro de São Miguel de Amêndoa, um povoado fortificado da Idade do Ferro que detém a classificação de Monumento Nacional desde 1950.

Da Antiguidade, mais propriamente nos séculos I a.C. a I d.C., subsistiu a ponte da Ladeira de Envendos sobre a ribeira de Pracana, classificada como Imóvel de Interesse Público desde 1960. Esta obra acabaria por integrar o eixo viário romano que funcionou entre Idanha-a-Velha e Ródão no período em que foi arquitetado o complexo termal de Ortiga (estação arqueológica de Vale de Junco), classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1992.

A região foi conquistada por D. Afonso Henriques nos primórdios do reino de Portugal (século XII) e doada à Ordem do Templo, sua proprietária até à integração nas terras de “Guidimtesta”, cedidas por D. Sancho I à Ordem do Hospital sob condição de se construir o castelo de Belver. Assim permaneceram até ao século XIV, tendo os termos de Envendos, Carvoeiro e Cardigos pertencido ao Prior do Crato, grão-mestre dos hospitalários em território português.

O primeiro foral foi outorgado pela rainha Santa Isabel de Aragão, esposa de D. Dinis, que ofereceu o território ao Mosteiro de Celas, e o segundo seria concedido por D. Pedro I no dia 15 de novembro de 1355.

Parte da região foi doada a D. Afonso Fernandes de Lacerda durante a governação do monarca D. Fernando I, passando a pertencer à Casa de Abrantes no momento em que D. Afonso V concedeu a D. Lopo de Almeida o título de primeiro Conde de Abrantes, detentor do senhorio de Mação e Amêndoa (1476). O território continuou a sofrer modificações a nível administrativo nos reinados seguintes, tendo D. Manuel I atribuído foral a Carvoeiro e Envendos em 1518 e D. João III passado uma carta de foro de uma fração da vila de Mação a João Alves Castelhano.

A última metade do século XVIII e início do século XIX ficaram marcados por três conflitos militares que trouxeram ao território tropas aliadas, exércitos inimigos e uma guerra civil. Na Guerra dos Sete Anos as tropas portuguesas e inglesas ficaram aquarteladas em Mação nos anos 1761-62 sob o comando do Conde de Lippe, contratado pelo Marquês de Pombal. O segundo episódio militar ocorreu durante as Invasões Francesas e resultou na incursão protagonizada pelos soldados do general Junot em 1807-08, cuja passagem originou um rasto de destruição. Por fim, a luta entre liberais e absolutistas provocou perseguições bilaterais ao longo de uma década e culminou numa guerra civil entre 1832-34.

O município foi adquirindo a sua configuração atual nas décadas seguintes, com a inclusão dos extintos concelhos de Envendos, Carvoeiro e Belver (o último transitaria para o concelho de Gavião) e a posterior integração das freguesias de Cardigos, Amêndoa, Aboboreira, Penhascoso e Ortiga, oriundas dos concelhos de Vila de rei, Abrantes e Sardoal.

Freguesias

O município tem sede na vila de Mação e integra as freguesias de Amêndoa, Cardigos, Carvoeiro, Envendos e Ortiga e a União das Freguesias de Mação, Penhascoso e Aboboreira. Uma parte significativa da população das sete freguesias está incluída na faixa etária dos 25 aos 64 anos, à exceção de Cardigos e Envendos, onde a maioria das idades iguala ou supera os 65 anos.

A freguesia de Ortiga é a mais pequena, não atingindo os 16 km2, e possui uma densidade populacional elevada com 37 habitantes por km2. Por sua vez, a área da União das Freguesias de Mação, Penhascoso e Aboboreira é oito vezes superior e alberga 48% dos habitantes do concelho. As freguesias de Amêndoa e Envendos apresentam os valores mais baixos no que respeita ao número de habitantes, cerca de 500, e à densidade populacional, perto dos 11hab/km2, respetivamente.

Áreas de Especialização

No tecido empresarial do concelho evidenciam-se atividades económicas como a silvicultura, a exploração florestal (olival e pinhal), as indústrias da madeira (serração e carpintaria), agroalimentar (destaque para o presunto, azeite, mel e queijo), dos lanifícios, das velas e das energias alternativas (eólica e hídrica), bem como o comércio.

Mais de um quarto das cerca de 750 sociedades e empresas existentes dedicam-se às atividades comerciais, seguidas das relacionadas com a construção e as indústrias transformadoras. O setor terciário gera postos de trabalho para, praticamente, dois terços da população empregada e o secundário ultrapassa um terço, sobejando 3% no setor primário. As explorações agrícolas neste município rondam os 6,5% do total registado na região do Médio Tejo.

Pontos de Interesse Turístico

Mação é um concelho que convida a...

ARQUEOLOGIA

    • consultar o espólio literário da Biblioteca Pública Municipal e da Biblioteca de Arqueologia e Arte Rupestre do Alto Ribatejo
    • seguir os ciclos de cinema documental e conferências ou conhecer um homem pré-histórico no Instituto Terra e Memória – Centro de Estudos Superiores de Mação
    • aprofundar o saber no Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado no Vale do Tejo (sujeito a marcação)

CULTURA

    • assistir a um seminário ou espetáculo no Cineteatro Municipal
    • aplaudir artistas de música e teatro ou participar em conferências no Auditório do Centro Cultural Elvino Pereira

    • apreciar os pormenores dos templos religiosos, como a talha dourada na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, a torre sineira da Igreja de Amêndoa, a imagem de Santa Maria na Igreja da Misericórdia ou os painéis de azulejos na Ermida de Santo António
    • visitar o Museu Paroquial de Arte Sacra de Amêndoa

HISTÓRIA

    • descobrir a arte rupestre no Parque do Ocreza, com destaque para a representação de um equídeo com mais de vinte mil anos
    • explorar as antas da Foz do Rio Frio e da Lajinha, o Castro de São Miguel de Amêndoa e o povoado do Castelo Velho do Caratão
    • relembrar a ocupação romana nas pontes da Ladeira de Envendos, da Ribeira de Isna e dos Três Concelhos, a par dos vestígios do antigo balneário em Vale do Junco
    • conhecer as raízes etnográficas e culturais de Cardigos no Espaço Memória e Cultura 

INOVAÇÃO

    • sentir a energia do vento perto dos colossais aerogeradores no Parque Eólico 

NATUREZA

    • merendar e nadar nas praias fluviais de Vergancinho - Cardigos, Carvoeiro e Ortiga
    • maravilhar-se com a queda de água e a lagoa no Pego da Rainha
    • subir às serras (Bando dos Santos, Bando de Codes, Santo António, Amêndoa, Galega, Águas Quentes, Alfeijoeira, Casal e Moledo) e descer às ribeiras (Eiras, Coadouro/Boas Eiras, Pracana, Ocreza e Bostelim) 

SAÚDE

  • usufruir de um fim de semana terapêutico nas seculares Termas da Ladeira de Envendos

Em suma, desvendar Mação é revitalizar corpo e mente com a água das termas, das albufeiras e das ribeiras, viajar no tempo até aos primórdios da espécie humana, percorrer as naves das igrejas, valorizar as energias alternativas e explorar montes e vales levando na mochila as tradicionais Fofas de Mação. O património classificado do concelho carateriza-se pela predominância de povoados fortificados, ermidas e pontes romanas.


Quer conhecer melhor este concelho e a região do Médio Tejo?

Poderá fazê-lo durante a sua visita ao Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado no Vale do Tejo, no espaço virtual PACAD - Programa de Animação Científica Artística Digital.

Principais Festividades

Ao longo do ano, o concelho celebra e partilha a sua identidade:

GASTRONÓMICA

exaltando os sabores regionais em diversos festivais gastronómicos, com destaque para o Festival da Lampreia (fevereiro/abril) e a Feira Mostra (julho)

HISTÓRICA

através da reconstituição da bicentenária Feira de Todos os Santos (novembro)

RELIGIOSA

com as Celebrações Pascais, que incluem os Passos do Senhor, o Domingo de Ramos, o Tríduo Pascal (quinze dias que antecedem a Páscoa) e o Domingo de Páscoa, a par das inúmeras festividades em honra de santos padroeiros, como a Festa de Santa Cruz (maio), as Festas do Espírito Santo (domingo de Pentecostes) e a Feira de Santa Maria (setembro)

TRADICIONAL

realizando a Feira de janeiro, afamada pela venda de árvores de fruto, a Feira dos Ramos (domingo de Ramos), a Feira de Julho/Santo Aleixo e a Feira Mostra, dedicada à gastronomia, artesanato e atividades económicas (ambas em julho)


FONTES

CIMT - Portal do Empreendedor, Fundação Francisco Manuel dos Santos (PORDATA – Base de Dados Portugal Contemporâneo), IGESPAR - Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, IGP - Instituto Geográfico Português (CAOP), INE – Instituto Nacional de Estatística (Censos 2011 e Recenseamento Geral da Agricultura 2009), Reorganização Administrativa de Freguesias (Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro), sites institucionais dos municípios associados e respetivas juntas de freguesia - informação recolhida em setembro de 2013.

Notícias

Prev Next

CIM do Médio Tejo promoveu estância de Wakeboard em Düsseldorf

A CIM do Médio Tejo e a Wakeboard Portugal promoveram entre 21 a 29 de janeiro a estância de Wakeboard instalada na região do Médio Tejo nas cinco praias fluviais...

01-02-2017

Posição pública a favor da reabertura da Base Aérea Nº3

Os autarcas da CIM do Médio Tejo tomaram uma posição, por unanimidade, a favor da Reabertura da Base Aérea de Tancos na última reunião do Conselho Intermunicipal, 20 de janeiro.

24-01-2017

Mensagem de Natal da Presidente da CIMT

Mensagem de Natal da Presidente da CIM do Médio Tejo, Maria do Céu Albuquerque

22-12-2016

3.ª Reunião do CEDI

  Teve ontem lugar na sede da CIM do Médio Tejo a 3.ª reunião do CEDI – Conselho Estratégico para o Desenvolvimento Intermunicipal. A reunião contou com a presença da grande maioria...

16-12-2016

Deliberações - 2.ª reunião da Assembleia da CIM do Médio Tejo/2016

Deliberações da 2.ª reunião ordinária da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio Tejo. Teve lugar ontem, dia 28 de novembro, na sede da CIM do Médio Tejo, a 2.ª Reunião Ordinária...

29-11-2016

Central de Compras da CIM do Médio Tejo

A Central de Compras foi criada pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo em 2011 e integra uma das suas 13 áreas de intervenção, as “Compras Públicas”. O projeto resultou na...

24-11-2016

2.ª reunião da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio Tejo de 2016

Tem lugar no próximo dia 28 de novembro, pelas 21h00, no auditório da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, em Tomar, a 2.ª Reunião da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio...

23-11-2016

Autarcas do Médio Tejo recebidos no CHMT

Reforço do Quadro Médico, Expansão da atividade e Renovação de equipamento foram os três eixos apresentados por Carlos Andrade, presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo...

16-11-2016

Promoção do Sucesso Escolar no Médio Tejo

É já no dia 21 de novembro/2016 que arranca o projeto “Promoção do Sucesso Escolar do Médio Tejo – Correção da Acuidade Visual e Auditiva no Pré- Escolar”. Este projeto...

16-11-2016

Eventos

Est-2020

sig

em rede

central-compras

transporte-a-pedido