Constância

 

Localização

constanciaConstância localiza-se na confluência dos rios Tejo e Zêzere, região do Centro (NUTS II) e sub-região do Médio Tejo (NUTS III). O concelho é habitado por 4.056 constancienses e integra três freguesias numa área total de 80,3 km2, delimitada pelas serras de Aire e Candeeiros a oeste e nordeste, respetivamente.

A nível concelhio é contíguo a Abrantes (norte, este e sul), Chamusca (sul e oeste) e Vila Nova da Barquinha (noroeste).

Sede do município (coordenadas GPS, WGS84 Datum)

    • DDD (graus decimais): 39.4766, -8.3393
    • DMM (graus e minutos decimais): 39º28.5967', -8º20.3590'
    • DMS (graus, minutos e segundos): 39º28'35.8023'', -8º20'21.5442''

História

Os primórdios do concelho estão associados ao encontro dos rios Tejo e Zêzere, outrora de tal forma impetuoso que o topónimo “Punhete”, pelo qual foi conhecido até ao século XIX, deriva da expressão latina “Pugna Tage”, isto é, a luta que a confluência dos caudais provocava no Tejo.

Vestígios arqueológicos, como a Cidade da Escória (Montalvo) e as ruínas do complexo termal da “villa” romana de Alcolobre (Santa Margarida da Coutada), comprovam a antiguidade da presença humana no território, a par dos registos históricos que atestam o fim da ocupação árabe em 1150 pela espada de Gonçalo Mendes da Maia, cavaleiro de D. Afonso Henriques conhecido por Lidador. Dois anos mais tarde, o Mestre Gualdim Pais ordenava a construção do castelo de Punhete com a sua torre sobre infraestruturas já existentes na foz do rio Zêzere, conjunto defensivo oficialmente cedido pelo rei à Ordem do Templo em 1169.

O porto fluvial contribuiu para o desenvolvimento da região a partir dos séculos XIV e XV, enquanto proeminente entreposto de mercadorias e comunicações entre o interior centro e a capital. A madeira, a lã, a cortiça, o carvão e os produtos agrícolas (azeite, cereais, vinho e mel) seguiam do Tejo e do Zêzere rumo à capital, cruzando-se com o sal, o artesanato e os adubos, que faziam o trajeto contrário.

Para a vila viajaram, igualmente, poetas, famílias de renome e reis. Estas terras receberam Luís de Camões durante o degredo provocado pela suposta ligação com D. Catarina de Ataíde (1548 a 1550), período em que viveu numa casa edificada por D. João de Almeida, 2º Conde de Abrantes. O espaço, mais tarde conhecido por Casa dos Arcos e atual Casa-Memória de Camões, foi classificado como Imóvel de Interesse Público em 1983.

Talvez o poeta se tenha cruzado à beira-rio com elementos da influente família Sande, Senhores de Punhete e responsáveis pela remodelação da Casa da Torre que conferiu ao castelo templário o aspeto de palácio quinhentista. Pelas mesmas margens passeou mais tarde D. Sebastião por ocasião do seu refúgio da peste que grassava em Lisboa, durante o qual assinou a carta régia de 1571 que elevou a vila a concelho e lhe concedeu autonomia administrativa de Abrantes.

A Confraria de Nossa Senhora dos Mártires erigiu um templo dedicado à sua padroeira na zona alta da vila por volta de 1635, igreja que viria a tornar-se matriz devido à devastação provocada pelas tropas do general Junot (1807) na antiga Igreja de São Julião. O culto religioso foi inicialmente transferido para a Igreja da Misericórdia e em 1822 passou definitivamente para a Igreja de Nossa Senhora dos Mártires. No ano anterior foi construído o novo pelourinho por ordem de D. João VI (Imóvel de Interesse Público desde 1933) pois o primeiro também não escapou à ira das invasões francesas.

A toponímia da vila foi alterada pela rainha D. Maria II no decreto de 7 de dezembro de 1836, com a substituição de “Punhete” por “Notável Vila da Constância”, em reconhecimento do apoio dos habitantes à causa liberal.

O contexto industrial dessa época ficou marcado pela construção da primeira ponte sobre o rio Tejo em território português, no ano de 1861, cuja estrutura afeta à circulação ferroviária seria substituída em 1890 sob a responsabilidade da Casa Eiffel. Começava assim o apogeu do caminho de ferro e o consequente declínio dos portos fluviais da região, agravado pelo aparecimento dos transportes de carga rodoviários e a construção de barragens na primeira metade do século XX.

A Torre foi demolida e os marítimos, importante classe social de outrora, desapareceram. Na vila ficou a beleza ímpar da união dos rios e a profunda devoção a Nossa Senhora da Boa Viagem, perpetuada pelas festas realizadas em sua honra com a colorida bênção dos barcos.

Freguesias

O município é constituído pelas freguesias de Constância, Montalvo e Santa Margarida da Coutada, sendo que a primeira possui a categoria de vila e constitui sede de concelho. A população das três freguesias é maioritariamente adulta, tendo mais de metade idades compreendidas entre os 25 e os 64 anos.

A área geográfica ocupada e o número de habitantes variam sobretudo entre a freguesia de Constância, cuja área corresponde a 11% do total municipal e apresenta os números populacionais mais baixos, e a freguesia de Santa Margarida da Coutada, que ultrapassa os 70% do território e alberga 40% da população do concelho. No que respeita à densidade populacional, destaca-se a freguesia de Constância com um valor muito próximo dos 115 habitantes por km2.

Áreas de Especialização

O tecido industrial de Constância caracteriza-se por uma especialização produtiva nas áreas do fabrico de mobiliário e papel, da madeira e dos materiais de transporte.

Os serviços ligados ao comércio por grosso e a retalho, bem como ao alojamento, restauração e similares correspondem a mais de um terço das empresas e sociedades sediadas no concelho, seguidos pelas indústrias transformadoras, que ultrapassam 10% do total. Esta tendência verifica-se, igualmente, no mercado de trabalho em que se destaca o setor terciário, empregador de 67,42% da população ativa, seguido pelos 30,21% do setor secundário. O peso do setor primário é bastante reduzido no que respeita ao mercado de trabalho e ao número de explorações agrícolas registadas.

Pontos de Interesse Turístico

Constância é um concelho que convida a...

CULTURA

    • apreciar obras de arte na Antiga Cadeia revitalizada como galeria
    • descobrir na Biblioteca Municipal Alexandre O'Neill o espólio literário doado pelo poeta
    • assistir a um espetáculo ou participar numa conferência no Cineteatro Municipal
    • enaltecer o dom da palavra na Casa-Museu Vasco de Lima Couto, homem do teatro, da poesia e da rádio

    • aproveitar uma das raras oportunidades em que a Capela de São João Baptista, no Convento de Nossa Senhora da Boa Esperança, é aberta ao público
    • admirar a alegoria do pintor José Malhoa e o imponente órgão de tubos da Igreja Matriz de Constância, dedicada a Nossa Senhora dos Mártires
    • encontrar inspiração divina na Igreja da Misericórdia, igrejas matrizes de Montalvo e Santa Margarida da Coutada ou nas capelas de Sant'Ana e Santo António

HISTÓRIA

    • conhecer as ruínas romanas de Alcolobre e a ponte oitocentista de Santo Antoninho
    • recordar a passagem de Luís de Camões pela vila numa visita à Casa-Memória e ao Jardim-Horto de Camões, bem como junto do monumento ao poeta criado pelo escultor Lagoa Henriques
    • atravessar a primeira ponte ferroviária do país, reconstruída pela Casa Eiffel
    • reviver o apogeu do porto fluvial no Museu dos Rios e das Artes Marítimas
    • perder a noção das horas na Torre do Relógio/Miradouro do Tempo

INOVAÇÃO

    • investigar os astros e andar no carrossel do Zodíaco no Centro Ciência Viva – Parque de Astronomia

LAZER

    • fazer uma descida em canoa com a adrenalina do rio Zêzere e a tranquilidade do rio Tejo
    • deixar-se surpreender pelo borboletário tropical, descontrair e participar em atividades pedagógicas no Parque Ambiental de Santa Margarida
    • contemplar diversos ângulos da paisagem em numerosos miradouros, como os da Avenida das Forças Armadas e da Rua Eng.º Vicente Themudo de Castro
    • marcar encontro no pelourinho da Praça Alexandre Herculano ou no Anfiteatro dos Rios

NATUREZA

    • assistir à beleza incomparável da confluência dos rios Tejo e Zêzere
    • explorar a pé a ribeira de Alcolobre, a ribeira da Foz e o Vale de Caldelas

Em suma, descobrir Constância é percorrer ruelas onde deambularam poetas e pintores, avistar borboletas, observar as estrelas, sentir a devoção dos homens do rio e das Irmãs Clarissas, participar em oficinas ambientais e adoçar o encontro entre o Tejo e o Zêzere com um Queijinho do Céu. O património classificado do concelho engloba a arquitetura civil com raízes históricas e os templos religiosos.

Principais Festividades

Ao longo do ano, o concelho celebra e partilha a sua identidade:

CRIATIVA

pela elevação da dança e música populares no Festival de Músicas do Mundo/Encontros no Tejo (julho/agosto) e a exibição de sons e letras na Feira do Livro e do Disco (novembro)

DESPORTIVA

através do Grande Prémio em Atletismo (Páscoa) e a Prova de Orientação Noturna (junho)

HISTÓRICA

ao reavivar a memória do período quinhentista nas Pomonas Camonianas, integradas nas comemorações do 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas

RELIGIOSA

através da Festa de Nossa Senhora da Boa Viagem/Festas do Concelho (Páscoa), conhecidas pelas ruas floridas e a bênção dos barcos, a par da realização das Festas em honra de Santa Margarida (julho) e de Nossa Senhora da Assunção (agosto)

TRADICIONAL

com a organização da Feira de Antiguidades e Velharias (junho)


FONTES

CIMT - Portal do Empreendedor, Fundação Francisco Manuel dos Santos (PORDATA – Base de Dados Portugal Contemporâneo), IGESPAR - Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, IGP - Instituto Geográfico Português (CAOP), INE – Instituto Nacional de Estatística (Censos 2011 e Recenseamento Geral da Agricultura 2009), Reorganização Administrativa de Freguesias (Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro), sites institucionais dos municípios associados e respetivas juntas de freguesia - informação recolhida em setembro de 2013.

Notícias

Prev Next

CIM do Médio Tejo promoveu estância de Wakeboard em Düsseldorf

A CIM do Médio Tejo e a Wakeboard Portugal promoveram entre 21 a 29 de janeiro a estância de Wakeboard instalada na região do Médio Tejo nas cinco praias fluviais...

01-02-2017

Posição pública a favor da reabertura da Base Aérea Nº3

Os autarcas da CIM do Médio Tejo tomaram uma posição, por unanimidade, a favor da Reabertura da Base Aérea de Tancos na última reunião do Conselho Intermunicipal, 20 de janeiro.

24-01-2017

Mensagem de Natal da Presidente da CIMT

Mensagem de Natal da Presidente da CIM do Médio Tejo, Maria do Céu Albuquerque

22-12-2016

3.ª Reunião do CEDI

  Teve ontem lugar na sede da CIM do Médio Tejo a 3.ª reunião do CEDI – Conselho Estratégico para o Desenvolvimento Intermunicipal. A reunião contou com a presença da grande maioria...

16-12-2016

Deliberações - 2.ª reunião da Assembleia da CIM do Médio Tejo/2016

Deliberações da 2.ª reunião ordinária da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio Tejo. Teve lugar ontem, dia 28 de novembro, na sede da CIM do Médio Tejo, a 2.ª Reunião Ordinária...

29-11-2016

Central de Compras da CIM do Médio Tejo

A Central de Compras foi criada pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo em 2011 e integra uma das suas 13 áreas de intervenção, as “Compras Públicas”. O projeto resultou na...

24-11-2016

2.ª reunião da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio Tejo de 2016

Tem lugar no próximo dia 28 de novembro, pelas 21h00, no auditório da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, em Tomar, a 2.ª Reunião da Assembleia Intermunicipal da CIM do Médio...

23-11-2016

Autarcas do Médio Tejo recebidos no CHMT

Reforço do Quadro Médico, Expansão da atividade e Renovação de equipamento foram os três eixos apresentados por Carlos Andrade, presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo...

16-11-2016

Promoção do Sucesso Escolar no Médio Tejo

É já no dia 21 de novembro/2016 que arranca o projeto “Promoção do Sucesso Escolar do Médio Tejo – Correção da Acuidade Visual e Auditiva no Pré- Escolar”. Este projeto...

16-11-2016

Eventos

Est-2020

sig

em rede

central-compras

transporte-a-pedido